quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Se estivesse em vigor o Estado de Direito, Raquel Dodge não poderia assumir a PGR

Encontro furtivo com réu 


Se o Brasil não fosse um país moralmente degradado, a futura procuradora-geral não assumiria o cargo, depois do encontro noturno e secreto com o chefe da gangue do jaburu, denunciado por corrupção pela própria PGR.

Os procuradores que a indicaram deveriam agora tomar a iniciativa de desfazer a escolha. Mas é esperar demais de um país que se achinelou e se acovardou.

Raquel Dodge conseguiu pisotear e desmoralizar uma instituição e toda a Lava-Jato antes de assumir seu comando.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Web Analytics