quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Ao vivo: colombianos lotam estádio para homenagear vítimas da tragédia

Não me peçam para defender a Lava Jato


Não me peçam para defender a Lava Jato.

Esse pseudo combate à corrupção, que nunca chegou perto de tucano, destruiu a indústria nacional e as maiores empresas do país, responsáveis, juntas, por mais de 20% do nosso PIB.

Esses procuradores mirins, ébrios de fama, se dizem "ungidos por Deus" para salvar a nação, enquanto fazem o contrário: baseado em informações fornecidas pela Lava Jato, o Ministério Público dos EUA já prepara ações bilionárias contra a Petrobras, para acabar de afundar a empresa e ficar com o óleo todinho para si.

Esses garotos, depois de insuflar o povo, de prender inocentes (prenderam e acabou; é um fato; aceitem), de divulgar escutas ilegais, não querem agora responder pelos próprios atos! De quê tem medo? É confissão de culpa? Ou é descrédito no judiciário do qual eles mesmos fazem parte?

E para o Gran Finale, num teatro tosco e infantil, encontram a forma de acabar com a operação (antes de chegar aos tucanos, como nós falamos aqui várias vezes) e saírem como bons moços. Na verdade, vão todos estudar em Harvard, no império, satisfeitos por terem cumprido seus papéis.

E por aqui, em vez de "não vai sobrar pedra sobre pedra (x1000)", os paneleiros escolheram "estancar a sangria".

Mas não tem arrego. Os que entendiam a situação no início a entendem agora e não sentarão quietos no atraso em que nos colocaram.

Luta que segue. Mas do lado certo. A unanimidade é burra.

*

Pelo Mortadela Páris Campelo

Dallagnol ameaça explodir apartamentos do Minha Casa Minha se Congresso desobedecê-lo

Quartel general da Task Force da Operation Car Wash
Palmério Doria

Força-tarefa da Lava Jato ameaça renunciar. Brasil por ela quebrado dá toda força. E ainda será pouco.

A tropa-de-choque de Dallagnol ameaça invadir a Câmara e ali queimar dezenas de bandeiras do Sol Nascente para denunciar avanço comunista.

TAN TAN TAN TAN
Deltan-tan Dallagnol ameaça atacar o Congresso armado de power points até os dentes.

Eis uma verdade atroz. Dallagnol se vale de Stanislaw Ponte Preta não estar entre nós.

-----||||||||||-----


A insurreição (cercada de medo sincero) dos procuradores da Lava Jato é real e motivada. 
Só eles sabem o quanto cometeram atos ao arrepio da Constituição Federal.

-----||||||||||-----


Congresso quer revogar o status de deuses merecidamente conseguido pelos nossos juízes e promotores.

-----||||||||||-----

Jorge Linden

Sabe, procurador, muitos passaram a temer a ação de Vossas Excelências porque ficou por demais evidente, em muitas oportunidades, o abuso de autoridade. Muitos abusos foram cometidos. Tantos que é absolutamente extraordinário que o senhor e muitos dos seus ainda estejam em liberdade.

O fracasso das instituições brasileiras

Pablo Villaça

Nada ilustra melhor o fracasso das instituições brasileiras do que a imagem de parlamentares num coquetel cujo cenário é a repressão do povo. O que interessa a estes congressistas, afinal, é a satisfação de seus donos, já que o Brasil há muito deixou de ser uma democracia de fato; deputados e senadores se converteram simplesmente em avatares dos CEOs das grandes corporações, que apertam os botões de votação no Congresso à distância usando as mãos de seus alugados fantoches de terno e gravata.

Enquanto isso, a mídia, composta por várias destas mesmas corporações, ajuda a vender a narrativa de que os manifestantes são simplesmente "vândalos" e que a política de "austeridade" é fundamental para o país. Mas não se esqueçam: “austeridade” é o eufemismo político que a elite usa para descrever sua estratégia de punir os pobres por serem pobres. Se não acredita, pergunte se ela aceitaria taxação de grandes fortunas ou se aprovaria um corte nos subsídios que recebe através de impostos reduzidos, linhas de crédito ou mesmo nos anúncios que vende para a União.

Aliás, também é curioso ver jornalistas da grande mídia protestando contra a decisão da justiça de quebrar o sigilo telefônico de uma colega a fim de descobrir a identidade de uma fonte, já que não hesitaram em celebrar o vazamento de gravações ilegais quando isto lhe permitia atacar uma governante da qual não gostavam.

E que, como vemos agora, era mesmo a última barreira entre este Congresso e a entrega total de tudo que foi construído nos últimos 14 anos.

Mas não podemos dizer que não fomos avisados: Romero Jucá, líder do governo no Senado, disse claramente que era preciso "tirar Dilma" pra que pudessem agir.

Só espero que não acreditem que poderão continuar a apreciar a repressão da população à distância enquanto bebem champanhe. Se acreditam, é porque não conhecem a História.

Elian Gonzalez responde a declaração de Donald Trump sobre Fidel Castro


Não entende castelhano nem inglês? Sorry, muchacho...

Desde quando?

Leandro Fortes

DESDE QUANDO

Punir abusos de juízes é ruim?

Para quem não sabe, os ministros do STF, como Gilmar Mendes e Dias Tofolli, não precisam se submeter nem ao Conselho Nacional de Justiça.

Podem, literalmente, fazer o que quiserem.

Moro: missão cumprida?

Jorge Linden

A Lava-Jato está às portas de seu momento mais importante. Está para sair, enfim, a famosa delação da Odebrecht, aquela que, segundo consta, envolveria mais de 200 parlamentares e as eminências de todos os partidos importantes.

Pois, é exatamente neste momento, que o condutor da operação, incensado por toda a mídia e por parcela imensa da população, resolve se afastar. Muito mais do que estranho, é profundamente suspeito. Ou não! 

É possível, diria até, provável, que o magistrado considere que, ajudando a derrubar a Dilma, enfraquecendo talvez decisivamente o PT e quebrando pedaços graúdos da economia brasileira, que ele considere, repito, a sua missão cumprida. Faltou só o Lula!

Grandes traficantes

Globo escreveu roteiro da Lava Jato, diz Lula

Começa o cortejo fúnebre de Fidel Castro


http://www.telesurtv.net/seccion/programas/index.html#

Comando de Caça aos Comunistas da Paulista

Tom Cardoso

O Moacir, o meu vizinho de cima, não é mau sujeito. Gosto dele. É o tipo de cara que compra cabo pra chupeta só para ajudar os outros. Mas todo domingo de manifestação é a mesma coisa. Ele muda o olhar, fica meio vesgo e vira o Hulk da direita. É ele quem lidera o levante até a Paulista dos moradores do Jardim Bonfiglioli. Eu adoro: é o domingo que não tem televisão ligada, churrasco na varanda, futebol na quadra. Por mim o Brasil podia virar a Turquia: um golpe por semana. 

O problema é a volta da família Moacir. Eles chegam ainda mais raivosos, todos com aquela baba no canto da boca de quem passou a tarde mudando o Brasil. Dei azar de encontrá-los agora há pouco no elevador. Eu tenho é medo da Sônia, a mulher do Moacir. Ela é a mais agressiva da família. O tipo de mulher que liga pra reclamar da falta de catupiry na borda recheada. Pra piorar, eu estava com a minha camisa retrô da União Soviética, comprada a 98 reais na lojinha da Rua Harmonia. A Sônia-Hulk grudou o olho zarolho no CCCP e perguntou:

- O que quer dizer isso, hein?
- Comando de Caça aos Comunistas da Paulista.
- Ah, bom.

Ufa. Eu vivo precisando de chupeta.

Temer e Meirelles derrubam tudo: agricultura, indústria e comércio

247 – Os dados do PIB do terceiro trimestre deste ano confirmam que a dupla Michel Temer e Henrique Meirelles, que prometia resgatar a confiança, aprofundou a recessão.

Os dois também conseguiram a proeza de derrubar todos os setores da economia: agropecuária (-1,4%), indústria (-1,3%) e serviços (-0,6%).

Com isso, o PIB do trimestre caiu 0,8% em relação ao segundo trimestre do ano.

Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, a contração foi ainda maior, de 2,9%, a décima seguida, o que comprova o altíssimo custo do golpe para a sociedade brasileira.

Em 2015, a economia brasileira caiu 5%, quando a aliança PMDB-PSDB colocou em marcha a política do "quanto pior, melhor" para tomar o poder.

Neste ano, a recessão será de 3,5%, já com Temer e Meirelles no comando, e 2017 também deve ser um ano perdido.

Leia abaixo matéria da Reuters:

Economia brasileira encolhe 0,8% no 3º tri, diz IBGE, 7ª queda seguida 

RIO DE JANEIRO/ SÃO PAULO (Reuters) - O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 0,8 por cento no terceiro trimestre deste ano sobre os três meses anteriores, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, marcando o sétimo trimestre seguido de contração.

Sobre o terceiro trimestre de 2015, o PIB despencou 2,9 por cento.

Pesquisa da Reuters apontava que a economia teria queda de 0,8 por cento entre julho e setembro na comparação com o trimestre anterior e de 3,2 por cento sobre o terceiro trimestre de 2015.

(Por Rodrigo Viga Gaier e Patrícia Duarte)

Golpe fez de Brasília uma praça de guerra

Esta terça-feira 29 foi o retrato acabado da tragédia brasileira; de país admirado no mundo, que vivia uma situação de pleno emprego em 2014, o Brasil colhe os resultados do golpe e viu sua capital ser transformada em praça de guerra por um governo de legitimidade cada vez mais questionada que tenta empurrar goela abaixo da sociedade um congelamento de gastos pelos próximos vinte anos; diante da resistência dos movimentos sociais e dos estudantes, o governo Temer, que já corre o risco de sofrer um processo de impeachment, respondeu com bombas e repressão

247 – O Brasil começou a colher, nesta terça-feira, os frutos do golpe parlamentar articulado por PMDB e PSDB, que sempre teve, como principal objetivo, afastar uma presidente honesta e blindar políticos corruptos.

No dia de hoje, Brasília foi transformada numa verdadeira praça de guerra, depois que mais de 10 mil pessoas tomaram a Praça dos Três Poderes para protestar contra a PEC 55, que congela gastos públicos pelos próximos vinte anos.

Se, em 2014, o Brasil vivia uma situação de pleno emprego e enfrentava uma queda pontual da arrecadação, que poderia ter sido enfrentada com um rápido ajuste fiscal, hoje há 12 milhões de desempregados e um rombo que se aproxima de R$ 200 bilhões, decorrente da sabotagem criada para viabilizar a tomada do poder.

Abaixo, reportagem, da Agência Brasil

Luciano Nascimento e Mariana Tokarnia - Repórteres da Agência Brasil

Após quase três horas do início das manifestações cotra a PEC do Teto dos Gastos Públicos, o clima ainda é de tensão e de confronto entre policiais militares e manifestantes na Esplanada dos Ministérios.

Grupos de manifestantes atearam fogo em banheiros químicos e se reagruparam nos arredores da Biblioteca Nacional e do Museu da República, próximo da rodoviária, onde fizeram nova barricada.

Muitos buscaram se proteger nos ônibus que trouxeram as comitivas que participam dos protestos, enquanto outros se dispersaram em direção à Estação Rodoviária.

A Polícia Militar reforçou o contigente com integrantes do Batalhão de Choque e um helicóptero da corporação continua sobrevoando o local.

Até o momento, não há novas informações sobre detenções.

MEC

Durante a manifestação, o Ministério da Educação (MEC) foi invadido e depredado por um grupo de 50 a 100 pessoas, algumas encapuzadas, segundo relatos da assessoria de imprensa do órgão.

Os manifestantes tocaram fogo em pneus, no lixo, quebraram as entradas do ministério e caixas eletrônicos. De acordo com a assessoria, o grupo usou barras de ferro e pedras e alguns tinham coquetel molotov. Eles subiram até o segundo andar do prédio. A Polícia Militar evacuou o edifício e alguns manifestantes foram presos.

A PM ainda não se manifestou sobre o ocorrido. Em nota, o ministro da Educação, Mendonça Filho, condenou "de forma veemente os fatos ocorridos hoje na Esplanada dos Ministérios, particularmente no MEC".

"Os servidores do ministério viveram um clima de terror. Isso é inaceitável. Como democrata que sou, entendo o direito de protesto, mas de forma civilizada, respeitando o direito de ir e ir. O que vimos hoje foram atos de violência e vandalismo contra os servidores públicos e contra o patrimônio", disse.

UNE

Em nota, a União Nacional dos Estudantes (UNE), uma das entidades que convocaram o ato, afirma que a manifestação organizada pelos movimentos estudantis e sociais hoje "foi um ato pacífico, democrático e livre contra a PEC 55".

A entidade diz que não incentivou qualquer tipo de depredação do patrimônio público. "O que nos assusta e nos deixa perplexos é a Polícia Militar do governador Rollemberg jogar bombas de efeito moral, gás de pimenta, cavalaria e balas de borracha contra estudantes, alguns menores de idade, que protestam pacificamente. Esse é o reflexo de um governo autoritário, ilegítimo e que não tem um mínimo de senso de diálogo", diz a nota.

Primeiro, a UNE disse que 15 mil pessoas participavam do ato. Agora, são 50 mil manifestantes, segundo a entidade. A Polícia Militar do Distrito Federal diz que cerca de 10 mil pessoas participam do ato.

O grupo caminhou até a frente do Congresso para protestar contra a PEC. Ao chegar ao gramado, houve tumulto e confronto entre os manifestantes e a polícia. O conflito se intensificou quando um grupo de manifestantes virou um carro de reportagem estacionado próximo à rampa do Congresso.

A polícia reagiu disparando bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo. O arquivamento da PEC 55, PEC do Teto, é uma das principais pautas do movimento de estudantes que organizaram caravanas para vir à capital, com mais de 300 ônibus. Hoje o Senado vota, em primeiro turno, a proposta que limita os gastos do governo federal pelos próximos 20 anos. O ato em Brasília é organizado por entidades estudantis e educacionais, entre elas a UNE, União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG).

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Vandalismo

Luis Felipe Miguel

Fui viajar com o silêncio dos portais da grande imprensa sobre a votação da PEC e a manifestação de hoje.

Quando o avião pousou, o noticiário já era o carnaval de denúncias contra o "vandalismo".

Vandalismo é derrubar uma presidente eleita pelo povo sem crime de responsabilidade que justifique.

Vandalismo é destruir o futuro de uma nação, congelando o investimento social por 20 anos.

Vandalismo é desmantelar o que conseguimos construir de democracia.

Torcida do Liverpool homenageia Chapecoense


video
Fonte: Trivela 

Missão cumprida: Moro foge para os Estados Unidos depois de destruir o Estado Brasileiro

Leandro Fortes

MORO ESTÁ FUGINDO

A Operação Lava Jato, dentro de um contexto social e político honesto, teria sido um presente para o Brasil. Acho que ninguém discorda de que, um dia, seria necessário acabar com a cultura da corrupção que sempre ligou empreiteiros e políticos brasileiros.

O fato é que, em pouco tempo, foi fácil perceber que as decisões e ações demandadas pelo juiz Sérgio Fernando Moro estavam eivadas de seletividade. Tinham como objetivo tirar o PT do poder, desmoralizar o discurso da esquerda e privilegiar aqueles que, no rastro da devastação moral levada a cabo pelo magistrado, promoveram a deposição da presidenta Dilma Rousseff.

Hoje, graças à Lava Jato, a economia nacional está devastada, o Estado de Direito, ameaçado, e o poder tomado por uma quadrilha que fez do Palácio do Planalto uma pocilga digna de uma republiqueta de bananas de anedota.

Agora, quando os grupos golpistas ligados ao PSDB e PMDB começam a ser atingidos pela mesma lama que a Lava Jato pensou em represar apenas para o PT, o juiz Moro pensa em tirar um ano sabático, nos Estados Unidos.

Isso, obviamente, não pode ser uma coisa séria.

Um juiz de primeira instância destrói a economia e o sistema político de um país, deixa em ruínas 13 anos de avanços sociais, estimula o fascismo, divide a nação e, simplesmente, avisa que vai tirar férias de um ano?

Não se enganem: o que está havendo é uma fuga planejada.

E precisamos saber o porquê, antes que ela seja consumada.

O último jogo da Chapecoense

Atlético Nacional da Colômbia pede que título da Copa Sul-Americana seja entregue à Chapecoense

Atlético Nacional solicita a Conmebol que el título de la Sudamericana sea entregado a Chapecoense.
 Atletico Nacional

El dolor embarga rotundamente nuestros corazones e invade de luto nuestro pensamiento. Han sido horas lamentables en las que hemos estado consternados con una noticia que nunca quisimos haber escuchado. El accidente de nuestros hermanos del fútbol de Chapecoense nos marcará de por vida y desde ya dejará una huella imborrable en el fútbol latinoamericano y mundial. Todo esto ha sido completamente inesperado, por eso el dolor. Se trataban todos ellos, futbolistas, Cuerpo Técnico, periodistas y tripulación, de personas con muchos sueños, por eso el llanto.

El lamento mundial se ha hecho extensivo también a toda la familia Verdolaga quienes desde sus patrocinadores, su Junta Directiva, su Cuerpo Técnico, sus jugadores, su parte administrativa y su afición, han manifestado el desconsuelo y la desazón por lo absurdo. La solidaridad no se hizo esperar y de nuestra parte acompañamos de forma rotunda el padecimiento de todos los hermanos que nos abandonaron quienes junto a sus familiares y nosotros, compartíamos una ilusión grande de ser campeones continentales de la Copa Sudamericana.

Luego de estar muy preocupados por la parte humana pensamos en el aspecto competitivo y queremos publicar este comunicado en donde Atlético Nacional invita a Conmebol a que el título de la Copa Sudamericana le sea entregado a la Associacao Chapecoense de Futebol como laurel honorífico a su gran pérdida y en homenaje póstumo a las víctimas del fatal accidente que enluta nuestro deporte. De nuestra parte, y para siempre, Chapecoense Campeón de la Copa Sudamericana 2016.

Depois de destruir o Brasil, Moro vai mudar-se para a terra de seus patrões

Moro quer estudar nos Estados Unidos
Mônica Bergamo

O juiz agente americano Sergio Moro pretende se licenciar da 13ª Vara Federal de Curitiba e da Universidade Federal do Paraná para uma temporada de estudos treinamento nos EUA.

Moro já teria inclusive dado entrada com um pedido de afastamento na universidade.

A informação foi confirmada à coluna pela secretária do departamento de ciências jurídicas da instituição, que não detalha as razões do juiz para o pleito nem se ele está relacionado à possibilidade de estudo fora do país.

O magistrado não pretenderia, no entanto, segundo interlocutores, viajar aos EUA antes de a Operação Lava Jato ser concluída na primeira instância.

Os trâmites para a viagem já estariam sendo encaminhados neste ano para que as instituições tivessem tempo de substituí-lo com tranquilidade. A viagem poderia ser realizada em 2018 ou 2019.

O cargo dele na 13ª Vara pode ser assumido pela juíza federal Gabriela Hardt.

Jornalistas não conseguem passar um dia sem envergonhar a raça humana


Jornalismo e esporte em luto hoje, dezenas de páginas que eu já vi aqui no Facebook demonstrando pesar e respeito (páginas de humor, por exemplo, já anunciaram que nem vão ser atualizadas hoje), e o que faz o Catraca Livre, aquele portal outrora conhecido por suas pautas libertárias e sacadas geniais? Posta uma "galeria de pessoas em seu último dia de vida", com selfies dos jogadores feitas no avião que depois caiu na Colômbia. Sério, não pode PASSAR UMA PORRA DE UM ÚNICO DIA sem que eu me envergonhe por essa categoria à qual desgraçadamente quis pertencer uma vez?

A última conquista da Chape




O mundo do futebol acordou de luto esta manhã

RIP Heróis da Chape


O mundo do futebol acordou de luto esta manhã. Caiu o avião que transportava a Chapecoense para Medellín, na Colômbia, onde o time disputaria o primeiro jogo da decisão da Copa Sul-Americana.

Imagino que muitas pessoas, assim como eu, acordaram hoje recebendo a notícia desta tragédia pelo WhatsApp. O avião transportava 81 pessoas: 48 membros da Chapecoense, incluindo 22 jogadores, 21 jornalistas,  3 convidados e 9 tripulantes.

A queda ocorreu por volta da 00:30 (horário de Brasília) e deixou 76 mortos, segundo os relatos mais recentes. Apenas 5 pessoas sobreviveram. A “ESPN” está fazendo uma cobertura em tempo real com novas informações do caso.

Segundo o “Uol”, este foi o mesmo avião que transportou Messi e a Argentina numa viagem recente ao Brasil, pelo jogo das eliminatórias da Copa. A aeronave, diz a reportagem, tinha 17 anos e era a única da companhia aérea Lamia, da Bolívia.

Essa triste história lembra as tragédias do Torino, em 1949, quando o time que era base da seleção italiana voltava de um amistoso em Lisboa e o avião se chocou numa torre, deixando 18 jogadores mortos; e do Manchester United, em 1958, cuja delegação retornava de um jogo pela Champions League em Belgrado e, numa escala em Munique, o avião escorregou na neve durante a decolagem e se chocou ao final da pista, com 8 jogadores entre as vítimas fatais.

Nunca uma catástrofe tão grande havia atingido o futebol brasileiro antes.

O episódio, que em qualquer situação já seria comovente, teve um gosto ainda mais amargo pelo fato da Chapecoense estar passando pelo momento mais glorioso de sua história. O time da pequena cidade de Chapecó (SC), com 200 mil habitantes, subiu da Série D para a Série A do Brasileirão em apenas 6 anos — e disputava agora a final da Copa Sul-Americana, que poderia ser o seu primeiro título internacional.

RIP, heróis da Chape. Vocês serão lembrados para sempre.

Pedro Nogueira, do El Hombre


Avião com o time da Chapecoense cai na Colômbia; 76 mortos

Da Agência Brasil*

Um avião que levava o time da Chapecoense, de Santa Catarina, caiu na Colômbia na madrugada de hoje (29), informou o Aeroporto José María Córdova, de Rionegro. A equipe seguia para Medellin, onde iria disputar amanhã (30) a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional da Colômbia.

De acordo com uma postagem no Twitter do aeroporto, a aeronave, com matrícula CP 2933, caiu na região da província de Antioquia. As primeiras informações são de que há sobreviventes, de que havia 81 pessoas a bordo - setenta e dois passageiros e nove tripulantes. Ainda não há dados exatos sobre vítimas e sobreviventes. O aeroporto acompanha a situação no Twitter e diz que as condições climáticas dificultam o acesso ao local da queda, que só pode ser feito por terra. Equipes de resgate estão no local. 

No texto divulgado no Twitter, o aeroporto informou que a torre de controle recebeu às 22h [hora de Bogotá] comunicado do piloto de que o avião, da empresa Lamia Corporation, procedente de Santa Cruz de la Sierra, estava em situação de emergência, entre o município de La Ceja e La Unión, com falhas elétricas.

Imediatamente, foram mobilizados o Comitê Operativo de Emergência, com a presença de funcionários da prefeitura de Rionegro, da Polícia Aeroportuária, Força Aérea Colombiana, de bombeiros e autoridades.

*Com informações da Agência Sputnik

Lista de passageiros

Lista da delegação da Chapecoense:

Ananias Monteiro
Arthur Maia
Bruno Rangel
Aiton Cesar
Cleber Santana
Marcos Padilha
Dener Assunção
Filipe Machado
José Paiva
Guilherme de Souza
Everton Kempes
Lucas da Silva
Matheus Btencourt
Hélio Zampier
Sérgio Manoel Barbosa
William Thiego
Tiago da Rocha
Josimar
Marcelo Augusto
Mateus Lucena dos Santos
Luiz Saroli
Eduardo Filho
Anderson Araújo
Anderson Martins
Marcio Koury
Rafael Gobbato
Luiz Cunha
Luiz Grohs
Sérgio de Jesus
Anderson Donizette
Andriano Bitencourt
Cleberson Fernando da Silva
Emersson Domenico
Eduardo Preuss
Mauro Stumpf
Sandro Pallaoro
Nilson Jr.
Decio Filho
Jandir Bordignon
Gilberto Thomaz
Mauro Bello
Edir De Marco
Daví Barela Dávi
Ricardo Porto
Delfim Pádua Peixoto Filho

Jornalistas

Victorino Chermont (Fox Sports)
Rodrigo Gonçalves (Fox)
Devair Paschoalon conhecido como Deva Pascovicci ( narrador da Fox)
Lilacio Júnior (Fox)
Paulo Clement (Fox Sports)
Mario Sergio Paiva (Fox Sports e ex-jogador)
Guilherme Marques (Globo)
Ari Júnior (Globo)
Guilherme Laars (Globo)
Giovane Klein (RBS- afiliada da Globo)
Bruno Silva (RBS)
Djalma Neto (RBS)
André Podiacki (RBS)
Laion Espindula (Globo Esporte)
Renan Agnolin
Fernando Schardong
Edson Ebeliny
Gelson Galiotto
Douglas Dorneles
Jacir Biavatti

Lista de tripulantes

Miguel Quiroga
Ovar Goytia
Sisy Arias
Romel Vacaflores
Alex Quispe
Gustavo Encina
Erwin Tumiri
Angel Lugo

247 – A tragédia aérea com a equipe da Chapecoense pode se transformar numa nova crise de governo.

O motivo: a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) impediu que a equipe fretasse um voo de uma empresa aérea venezuelana, obrigando que a equipe voasse com uma empresa do Brasil ou da Colômbia.

Os motivos para o veto à empresa venezuelana, que fez com que a equipe improvisasse uma solução de emergência, ainda não foram esclarecidos.

Dos 81 passageiros, 75 morreram e apenas seis sobreviveram.

Leia trecho de reportagem do portal RBS:

Um imprevisto fez a Chapecoense mudar seus planos na viagem em direção à Colômbia horas antes do acidente com o avião da delegação. O voo fretado que havia sido contratado para levar a equipe a Medellín, onde enfrentaria o Atlético Nacional pela final da Copa Sul-Americana, não foi autorizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para partir rumo a Colômbia.

Segundo o entendimento da Anac, o voo deveria ser feito por uma empresa brasileira ou colombiana, e a empresa contratada pela Chapecoense era venezuelana.


Avião com equipe da Chapecoense cai e deixa 76 mortos
COSTA NORTE

O avião transportava a delegação da Chapecoense para Medelin, na Colômbia, para disputar a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. O acidente aconteceu na madrugada desta terça-feira, 29. Segundo autoridades colombianas, 76 pessoas morreram e cinco sobreviveram. O avião da LaMia decolou de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, com 81 pessoas a bordo: 72 passageiros e 9 tripulantes.

A aeronave com o time catarinense perdeu contato com a torre de controle às 22h15 (1h15 em Brasília) e caiu ao se aproximar do Aeroporto José Maria Córdova, perto de Medelin. De acordo com informações, o avião se declarou em emergência por falha técnica pouco antes de cair. A aeronave sumiu do radar entre La Ceja e Abejorral.

A delegação da Chapecoense saiu do Aeroporto de Guarulhos nesta segunda à tarde. O jogo contra o Atlético Nacional aconteceria na quarta-feira, 30. Além da equipe Chapecoense, 22 jornalistas brasileiros estavam no avião.

Sobreviventes
Segundo o Aeroporto Internacional José Maria Cordova, de Medellín, os cinco sobreviventes são os jogadores Alan Ruschel, Danilo e Follmann, o jornalista Rafael Henzel e a comissária Ximena Suarez.

Polícia confirma 76 mortos em acidente com o avião da Chapecoense

As autoridades colombianas confirmaram a morte de 76 pessoas no acidente aéreo com a delegação da Chapecoense na madrugada desta terça-feira (29), na cidade de La Unión, próximo a Medellín, na Colômbia. A informação foi inicialmente divulgada pelo general José Acevedo Ossa, membro da polícia local e responsável pelo resgate, e foi posteriormente confirmada pelo prefeito de Medellín Federico Guitiérrez Zuluaga. As buscas já foram encerradas e ainda não há confirmação oficial do nome das vítimas.

Segundo Ossa, inicialmente somente seis pessoas tinham sobrevivido à tragédia – o número oficial caiu a cinco, pois um deles morreu a caminho do hospital. Três deles são jogadores da Chapecoense: o lateral esquerdo Alan Ruschel, além dos goleiros Danilo e Follmann. As informações são de hospitais da região e de familiares dos jogadores. “Estamos trabalhando também para resgatar os corpos dos mortos e entregar às suas famílias. Conseguimos resgatar cinco pessoas com vida. Quando amanhecer, vamos retirar os corpos e iniciar o processo para enviar ao país de origem das pessoas. O procedimento do resgate de corpos estará a cargo da polícia”, disse Ossa.

“Não há mais sobreviventes. 76 pessoas falecidas. Estamos falando de cinco sobreviventes. Socorristas trazem a informação deste lugar de muito difícil acesso. Estou fazendo a coordenação dos transladados dos corpos e chamando a polícia legal. São quase cinco da manhã. Vamos trabalhar toda a noite. Expressamos nossa solidariedade às famílias, estamos de luto. Algumas vítimas têm diferentes nacionalidades. Prestamos solidariedade total. Lamento muito, estamos solidários. É muito duro. Não cabe tanta gente que está querendo trabalhar nos resgastes. Não cabe mais ambulância, mais carros. Temos que valorizar o trabalho de toda essa gente”, disse Zuluaga.

No voo estavam 81 pessoas, incluindo 72 passageiros e nove tripulantes. No total, eram 48 membros da Chapecoense, incluindo 22 jogadores, 21 jornalistas e três convidados, além da tripulação.

O modelo do avião é o Avro Regional Jet 85, também conhecido como Jumbolino, de matrícula CP-2933, produzido pela British Aerospace. O avião tem lugar para 95 pessoas, mas segundo as autoridades colombianas, tinha 72 passageiros e 9 tripulantes no momento do acidente.

Alguns atletas da Chapecoense não viajaram com a delegação. A lista inclui os seguintes jogadores: Neném, Demerson, Marcelo Boeck, Andrei, Hyoran, Martinuccio, Nivaldo e Rafael Lima. Eles não vinham sendo utilizados pelo treinador Caio Júnior. Entre todo o time, o goleiro Nivaldo é o mais antigo do elenco e está no grupo desde que a equipe estava na Série D.

O prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, também não estava no voo. Ele estava na lista como convidado do clube para a viagem à Colômbia. Mais dois integrantes da lista, Rodrigo Ernesto e Pablo Castro, também não estavam na aeronave. Ambos cuidam da logística do time, chegaram antes e estavam no aeroporto para o receptivo.

Fonte: Uol

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Como se fala inglês em alguns países do mundo

Dallagnol PowerPoint, o gênio da economia

Paulo Preto

Dallagnol PowerPoint comprou dois apartamentos do Minha Casa Minha Vida, programa criado no governo Lula, o ex-presidente que ele tanto odeia e persegue.

Pagou 150 mil nos dois e colocou pra vender por 135 mil cada. O programa é destinado à pessoas de baixa baixa.

Quer vender ambos colocando um sobrepreço de marromeno 100% em cada um. Um gênio da economia esse menino que se especializou em Harvard.

Faturar em cima dos mais pobres é algo belo e moral. Mesmo para um Procurador cujo o salário passa dos 35 mil reais por mês, fora as habituais mamatas. Afinal, que mal tem para um Procurador da República faturar com a especulação imobiliária em cima de quem precisa de moradia?

Duas coisas que não interessam a Moro

Ayrton Centeno

A informação de que Sérgio Moro proibiu 20 das 41 perguntas elaboradas pela defesa de Eduardo Cunha para serem formuladas a Michel Temer – testemunha arrolada por Cunha – é mais uma evidência de que o juiz federal não está nem um pouco interessado em duas coisas que alega procurar: verdade e justiça

Seu objetivo – cada vez fica mais claro – é outro. E aqueles que lamentam hoje terem sido ingênuos ao trocarem um governo legal e legítimo pelo purulento abcesso instalado em Brasília após o golpe, logo perceberão que foram ainda mais cândidos e simplórios em relação aquilo que se arrasta para nascer em Curitiba.

Não há limite para a desonestidade de Sergio Moro


Vou reproduzir aqui, na íntegra, a nota que Mônica Bergamo publicou há pouco na Folha online. Trata da censura que Sérgio Moro fez às perguntas que Eduardo Cunha dirigiu a Michel Temer. Os argumentos são:

(1) Ele não tem autoridade para investigar "direta ou indiretamente" o "Exmo. Sr. Presidente da República" - e o que ele fez o tempo todo com a presidente legítima, inclusive com escutas ilegais?

(2) "Não há qualquer notícia do envolvimento do Exmo. Sr. Presidente da República" com as maracutaias de Cunha - em que mundo mesmo vive o todo-poderoso de Curitiba?

É terrível pensar que este juiz, de uma desonestidade tão flagrante, é hoje o farol moral de tantos brasileiros.


A informação de Bergamo:

O juiz Sergio Moro indeferiu, na manhã desta segunda (28), 21 de um total de 41 perguntas feitas por escrito pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a Michel Temer. 
O presidente da República é testemunha de defesa de Cunha. Ele responderá aos questionamentos também por escrito. 
Cunha chega a perguntar se Temer recebeu Jorge Zelada, ex-diretor da Petrobras envolvido em corrupção, em sua própria residência, em São Paulo, e se teve conhecimento de reunião de fornecedores da Petrobras também em seu próprio escritório, em São Paulo, "com vistas à doação de campanha para as eleições de 2010". 
Em outra questão, pergunta qual é a relação do presidente "com o sr. José Yunes", um dos melhores amigos de Temer, e se ele "recebeu alguma contribuição de campanha" para alguma eleição de Temer. 
Em caso positivo, diz Cunha, "as contribuições foram realizadas de forma oficial ou não declarada?". 
O ex-parlamentar questiona ainda se Temer "indicou o nome do sr. Wellington Moreira Franco para a vice-presidência do Fundo de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal". 
Moro afirmou em seu despacho que as perguntas de Cunha mereciam "censura", já que "não há qualquer notícia do envolvimento do Exmo. Sr. Presidente da República nos crimes que constituem objeto desta ação penal". 
E indeferiu as questões. 
Afirmou também que qualquer denúncia envolvendo Temer deve ser investigada no STF (Supremo Tribunal Federal), e não em Curitiba, já que o presidente tem foro privilegiado. 
"Não tem ainda este Juízo competência para a realização, direta ou indiretamente, de investigações em relação ao Exmo. Sr. Presidente da República", concluiu o juiz.

Cuba se despede de Fidel Castro



Cuba se despide de Fidel Castro con un homenaje póstumo. La ceremonia tiene lugar en el Memorial José Martí de la Plaza de la Revolución de La Habana.

Mais do que palavras


Sylvia Moretzsohn

Poucas coisas foram tão impressionantes para mim, nos últimos tempos, do que as entrevistas no Fantástico de ontem.

Ou melhor: o comportamento daquelas pessoas.

A força daquelas imagens.

Uma, a do trio que chamou uma coletiva num domingo de manhã para explicar que jamais passou pela cabeça deles aprovar a tal anistia ao caixa 2, e que se explica sobretudo como forma de se antecipar ao que o esbelto ex-ministro poderia dizer sobre o affair Geddel.

A outra, a do próprio esbelto ex-ministro.

Na primeira, o roliço filho do César Maia não disfarçava a tromba. Renan, estático, olhando fixo para o nada. E Temer, afetando serenidade, demonstrava exatamente o contrário, não apenas ao medir as palavras, mas sobretudo pelo rictus, aquele sorriso forçado e falso no canto da boca, e pelas mãozinhas que parecem ter vida própria.

Na segunda, o olhar congelado do Calero, o corpo inclinado em tensão evidente diante da Noiva Cadáver igualmente congelada.

Importa muito pouco o que disseram. Importam as imagens.

Nunca um ministro da cultura foi tão útil

Calero levou Temer a nocaute
Juremir Machado da Silva

Os fatos e os discursos revelam muito sobre o vazio.

Se Dilma se atrapalhava com as palavras e inventava termos, Michel Temer é o típico homo bacharelescus. Torce as palavras, encompridando o discurso, até que elas não digam coisa algum. Vê-se o oco de cada declaração.

Poucas vezes se viu um presidente usar a língua de maneira tão retorcida e vazia.

O ouvinte fica esperando que a enrolação termine para tentar captar algum sentido.

A elite se derrete. É o seu estilo. A plebe fica fascinada. Quanto menos entende, mais admira.

O ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, simplificou o discurso com fatos.

Foi pressionado por Geddel Vieira Lima a cometer uma irregularidade.

Apelou a Temer, que o tratou como noviço e sugeriu que entregasse a coisa para os veteranos.

Ou seja, agiu em favor dos interesses privados de Geddel.

Eliseu Padilha fez o mesmo.

O governo atolou-se na defesa dos interesses privados de um dos seus caciques.

Calero ouviu, gravou e entregou tudo.

As panelas não batem. Por quê?

Ficarão assim mesmo os crimes de tráfico de influência e de advocacia administrativa?

Sem falar em prevaricação.

O TSE já apurou que salários de assessores da campanha de Michel Temer foram pagos com dinheiro arrecadado pela turma da campanha da Dilma. Vai continuar a balela da separação das contas?

Os tucanos de voo mais elevado correram para blindar Temer e os seus.

Não deveriam ter corrido para denunciar a bandalheira?

Por que não há orquestra de panelas contra as tentativas de anistia do caixa dois?

Por que não há panelas repicando contra a tentativa de blindagem de Geddel por Temer e cia?

De repente, Temer e Aécio Neves passaram a considerar absurdo gravar presidente da República.

Como assim?

Quando os fatos soterram os discursos, as ideologias fingem que está tudo bem.

Calero enterrou Temer.

Nunca um ministro da cultura foi tão útil.

Cubanos prestam a última homenagem a Fidel. Ao vivo de Havana pela Telesur

Versão de Temer é humilhante para o País


Por Luis Nassif, no jornal GGN

Longe dos olhares protetores, ternos e apaixonados dos entrevistadores do Roda Viva, a coletiva deste domingo comprova que Temer é um hipossuficiente.

É humilhante para o país – principalmente sabendo que na coletiva apareceram correspondentes internacionais – que um presidente, pretensamente dotado de saber jurídico, trate como mero conflito entre Ministros um caso clássico de advocacia administrativa.

Para um país que, após o golpe, passou a ser tratado como uma republiqueta latino-americana, sem segurança jurídica, a fala de Temer rebaixa ainda mais a imagem do país.

O fato concreto é que seu principal Ministro, Secretário Executivo Geddel Vieira Lima, pressionou um Ministro da Cultura, em escalão inferior na hierarquia do governo, para quebrar o galho de um edifício do qual ele seria um feliz proprietário – quase certamente como taxa de sucesso, caso conseguisse liberar a obra.

Acossado, o Ministro da Cultura procura o presidente para relatar a pressão. Qualquer mandatário minimamente preparado se daria conta de que havia um crime em curso, convenceria o Ministro pressionado a não pedir demissão e demitiria incontinenti o Ministro que pressionou. Ou, pelo menos, acabaria com a discussão ordenando a Geddel que parasse com as pressões.

Simples assim.

Em vez disso, Temer tentou transferir o processo para outra instância, a AGU (Advocacia Geral da União), para encontrar uma saída para seu Secretário de Governo.

Em qualquer país civilizado, com discernimento mínimo sobre certo e errado, legal e ilegal, público e privado, os princípios abaixo são axiomas inquestionáveis:

  1. Se um Ministro luta por um projeto no qual ele tem interesses pessoais, sua motivação é privada, mesmo que seja um assunto pertinente a sua área.
  2. Se o Ministro interfere no tema, que sequer tem a ver com sua área, não se trata de disputa entre Ministros, mas de tentativa de advocacia administrativa, tráfico de influência, corrupção explícita.
  3. Se o Presidente interfere em favor do Ministro amigo, induzindo a transferir a questão para outra área, comete crime.
  4. Se o Ministro-Chefe da Casa Civil Eliseu Padilha interfere, ele também comete tráfico de influência.
Não há diferença entre ordenar e sugerir, quando a conversa se dá entre um Presidente da República e seu Ministro, ou entre qualquer chefia e seu subordinado.


A incapacidade de Temer de dizer não ao seu escudeiro, mostra uma fraqueza de caráter indesculpável, uma falta de autoridade ampla. É por aí que se entende a influência sobre ele de políticos primários, como Geddel, de grandes raposas, como Eduardo Cunha, de pequenas raposas, como Eliseu Padilha, e de grandes autoritários, como José Serra.

Cinema nacional


A pobreza em Cuba


Às vezes me perguntam sobre o que vi de pobreza em Cuba. E eu acho que essa é uma pergunta curiosa porque me fez pensar sobre o que é pobreza. Ora, no nosso contexto brasileiro, riqueza é uma associação de bens materiais a uma situação de segurança e bem estar. Pobreza envolve muito mais do que a falta de bens. Pobreza envolve morar num local arriscado, conviver com deslizamento de morros, tiroteios,com o medo de ser desalojado. Envolve estar mais vulnerável a estupros, à violência, à exploração sexual. Envolve perder horas apertado em um transporte público caro e de má qualidade. Muitas vezes envolve passar fome,envolve se desesperar por não ter acesso à medicamentos e cuidados médicos. Envolve não ter lugar adequado para deixar seu filho. 

E principalmente, pobreza na sociedade de consumo está associada à baixa auto-estima. Os ricos dizem que são ricos porque eles ou os pais deles trabalharam, fizeram esforço, logo se você é pobre é por que não trabalhou, não é inteligente, não é esforçado. Uma ideia tristemente enraizada.


E eu me lembro dessa foto numa comunidade rural de Havana, As crianças dormindo na creche. Crianças com mais de um ano, porque lá a licença materna ou paterna é de um ano. Crianças que poderão praticar esportes, dançar ballet, independentemente dos pais terem dinheiro para pagar escolinha. Lembro dos idosos nas casas de abuelos compartilhando tantas lembranças. Lembro da tranquilidade com que a gente andava à noite na estrada.

Então quando me perguntam se em Cuba tem muita pobreza eu respondo que na verdade o que Cuba tem é outro tipo de riqueza.

Que pau bonito, hein, majestade!

Catarina Bessel
Gregório Duvivier

Certas coisas são penosas de assistir, mas você assiste porque as pessoas te garantem que vale a pena. Quase nunca vale. Foi assim com "O Encouraçado Potemkin" e "Two Girls One Cup". E foi assim com o novo "Roda Viva".

Já não é sequer uma roda –jornalistas se alinham à frente do presidente, como uma plateia de teatro, e não ao redor, como o nome indica– tampouco parece ser viva –te desafio a assistir até o final. Não me espantaria se descobrissem que o presidente sem pescoço estivesse sendo manipulado por dentro como um muppet ou como o cadáver do filme "Um Morto Muito Louco".

Temer responde olhando para a câmera, e não para os jornalistas, como quem está fazendo um pronunciamento. O cenário é o Palácio da Alvorada, como todo pronunciamento. Resumindo: é um pronunciamento –com a ajuda luxuosa dos jornalistas. Nem parece que é um presidente na corda bamba –prestes a cair.

Todos ostentam um sorrisão. Parece que o Alvorada é open bar. Cogitei se estava acontecendo algo que não estaríamos vendo, fora de quadro. Pensei que talvez estivessem fazendo massagem nos pés. Talvez estivessem distribuindo rissoles ou carregadores de iPhone.

Ninguém fala do Porto de Santos, no Ministério sem negros ou mulheres, ninguém sequer pronuncia a palavra "crise". Perguntam se Temer vai ser candidato em 2018 –como se ele pudesse. Temer está inelegível pelo TSE. Mas deixa quieto. Não se fala de corda em casa de enforcado.

A pergunta final já virou meme: "Como o senhor se apaixonou pela Marcela?" Afinal, o Brasil não tava conseguindo dormir sem conhecer essa bela história de amor. Ao fim da entrevista, Temer agradece aos jornalistas pela propaganda. Todos morrem de rir, aquele riso de quem está tomando uísque num puteiro –hua, hua, hua. "Que figura, esse Michel!".

Cresci assistindo ao "Roda Viva" (na minha época, não tinha Cartoon Network). Tem momentos inesquecíveis. Quércia encurralado berrando: "Mentiroso! Caluniador!". O General Newton Cruz, quase chorando: "Tá todo o mundo aqui em cima de mim?". Sim, general, essa é a ideia do programa! Digo, foi.

Se tem uma coisa que aprendi a venerar é o jornalismo investigativo, aquele que diz que o rei está nu e ainda denuncia: tem pau pequeno. O pessoal do "Roda Viva", ao ver o rei nu, elogia: "Que pau bonito, hein, majestade! Fale mais sobre como é que o senhor faz pra manter um pau bonito como esse. Posso dar uma brincada?"

Pedidos de impeachment do Usurpador devem ser apresentados esta semana

PT e Psol finalizam seus pedidos de impeachment

247 Devem ser apresentados nos próximos dias os pedidos de impeachment contra Michel Temer, que, segundo seu ex-ministro Marcelo Calero, tentou pressioná-lo a cometer um ato de corrupção, para favorecer interesses pessoais do também ex-ministro Geddel Vieira Lima. Ontem, em entrevista ao Fantástico, Calero disse que Temer e seus ministros lhe propuseram uma "chicana" jurídica para favorecer Geddel (leia aqui).

Um dos pedidos, com apoio de movimentos sociais, como, CUT, MTST, UNE e Central dos Movimentos Populares, deve ser apresentado pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “Se Geddel saiu do cargo sob a acusação de tráfico de influência e advocacia administrativa, Temer também que sair. Os dois são alvos da mesma acusação”, disse Lindbergh. “A entrevista que o presidente deu foi um tiro no pé. Reforçou a gravidade das denúncias e a fragilidade do governo”, afirmou o senador.

Temer disse na entrevista ter "arbitrado conflitos", quando, na realidade, não havia conflito algum – apenas a pressão ilegítima de um ministro corrupto (Geddel) sobre um ministro honesto (Calero). A esse respeito, leia entrevista do ex-ministro da AGU, José Eduardo Cardozo. "Pelos fatos narrados até aqui, não havia nenhuma discussão jurídica, o que houve foi uma pressão hierárquica para que interesses pessoais de determinado ministro fossem atendidos", disse ele (leia aqui).

“Queremos Diretas Já. Quem apoiou esse governo para resolver as crises política e econômica quebrou a cara. A crise não acabou”, disse Lindbergh.


Um outro pedido de impeachment deve ser apresentado pelo deputado Ivan Valente (Psol-SP).  "Temer constrangeu e ameaçou um funcionário subordinado, o que prova que estava arbitrando em favor de Geddel", disse ele.

Pepe Escobar: Uma análise lúcida sobre o impeachment e a Lava Jato

O Pacote de Assessoria de Imprensa da Globo

Pablo Capilé

O Pacote de Assessoria de Imprensa que a Globo oferece é completo. Grava a entrevista do denunciante no Sabado, cede o conteúdo e organiza uma coletiva pro denunciado no Domingo meio dia, pauta seus jornalistas para defenderem o criminoso no Twitter de tarde e disponibiliza o Fantástico para absolver o cliente de noite. E custa caro! É a máfia da narrativa em ação!

domingo, 27 de novembro de 2016

Quem fez este horror?

Palmério Dória

Durante a Segunda Guerra Mundial, o general alemão Otto Abetz, que governava a cidade de Paris ocupada pelos nazistas, dirigiu-se a Picasso e, referindo-se à tela Guernica, perguntou:

-- Foi o senhor que fez este horror?,

Com elegância,Picasso teria respondido:

-- Não, senhor general. Esse horror foi feito pelos senhores.

A mídia brasileira pode rebolar, mas nunca se livrará do fato inquestionável:

foi ela que, mais uma vez, deu asas ao horror que o país vive neste momento.

Desgoverno Temer apodrece à luz do dia

Depois de Geddel, Temer terá que demitir Padilha
A entrevista do ex-ministro Marcelo Calero ao Fantástico foi devastadora para o governo de Michel Temer, que já está nas cordas; além de reiterar que foi pressionado por Temer e por Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, a atender um interesse privado do ex-ministro Geddel Vieira Lima, ele deu a entender que gravou Padilha numa situação constrangedora, mas que não poderia confirmar para não atrapalhar as investigações da Polícia Federal; a Temer, que o chamou de indigno, por ter feito as gravações, ele mandou um recado: "o servidor público tem que ser leal, mas não pode ser cúmplice"; ele também repetiu que Temer pediu a ele que aceitasse as pressões ilegítimas de Geddel, ao dizer que "a política tem dessas coisas"; para continuar respirando por aparelhos, Temer terá que demitir Padilha – de preferência, antes que apareçam as gravações
247 – O escândalo La Vue, o espigão de 107 metros de altura, que agride o patrimônio histórico de Salvador, não se encerra com a demissão de Geddel Vieira Lima, o braço direito de Michel Temer que tem um imóvel de R$ 2,4 milhões no empreendimento e pressionou seu colega Marcelo Calero a liberar obra embargada.

Em entrevista à jornalista Renata Lo Prete, exibida nesta noite no Fantástico, Calero deu um depoimento contundente, que deixa o governo Temer, já nas cordas, numa situação ainda pior.

Para continuar respirando por aparelhos, Temer terá que demitir outro de seus principais assessores: o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Isso porque Calero deixa claro que a Polícia Federal e a procuradoria-geral da República já têm em seu poder gravações que comprometem Padilha.

Calero apenas disse que não poderia confirmar para não atrapalhar as investigações, mas fica claro que tanto Padilha como Geddel foram gravados, em ligações telefônicas – o que é perfeitamente legal.

O ex-ministro da Cultura também mandou um recado para Temer, que o chamou de indigno por ter feito as gravações. "O servidor público tem que ser leal, mas não pode ser cúmplice."

Ele também repetiu que Temer pediu a ele que aceitasse as pressões ilegítimas de Geddel, ao dizer que "a política tem dessas coisas."

Ou seja: o conselho de Temer era para que se buscasse a Advocacia-Geral da União, de modo a se buscar uma solução jurídica que permitisse atender ao pedido de Geddel.

Em coletiva nesta tarde, Temer disse apenas ter "arbitrado conflitos", mas não havia conflito algum, apenas a pressão de um ministro corrupto, Geddel Vieira Lima, sobre um ministro honesto, Marcelo Calero, para que ele praticasse um ato de corrupção e liberasse uma obra ilegal.

Calero também disse ter ficado chocado ao ver que, em plena crise econômica, a maior da história do País, que foi causada pelo golpe de 2016, as principais autoridades da República se dedicam a interesses paroquiais.

Em entrevista ao 247, o ex-ministro da AGU, José Eduardo Cardozo, diz que a participação de Temer no episódio pode levar a seu impeachment por crime de responsabilidade, uma vez que seu eventual delito, o de patrocinar o interesse privado de Geddel, se deu no atual mandato (leia aqui).

Fidel, o assassino

Gilson Caroni Filho

Não vou falar sobre os conhecidos avanços sociais cubanos. Os sistemas educacionais e de saúde da Ilha são os melhores da América Latina. Não há desnutrição infantil e a expectativa de vida alcança 79 anos, maior do que em qualquer país vizinho. Gostaria de me dirigir aos que chamam o líder cubano de ditador assassino. 

Vocês sabiam que houve uma revolução? Que foi feita uma reforma agrária, educacional e as indústrias estadunidenses foram estatizadas pelo novo regime? Que, durante anos, a CIA tentou matar Fidel? 

Quem foram os perseguidos? O vasto número de seguidores de Fulgêncio Batista e os latifundiários associados aos governos estadunidenses, que não pouparam esforços para retomar o seu antigo cabaré. 

Como seria possível uma democracia formal com o embargo comercial, econômico e financeiro? 

Vocês, que tanto amam o capitalismo, conhecem a Revolução Francesa e o papel que nela teve a guilhotina, precursora simbólica do que faria o livre mercado com direitos e vidas? 

Por favor, vocês, que defendem pena de morte no Brasil, que afirmam que bandido bom é bandido morto, lavem a boca antes de querer se passar por humanistas indignados.

Comunista, graças a Deus

Flávio Dino

Curioso que pessoas que se acham "modernas", do "século 21", se dediquem a um anticomunismo primário, com mofo da Guerra Fria.

Também interessante que defensores da "liberdade de expressão" dediquem tanto ódio a pessoas que ousam pensar diferente.

O Brasil não vai conseguir resolver seus problemas com esse culto ao ódio e à intolerância. Justiça e paz são filhas do mesmo ventre.

Penso sempre em dois lemas históricos: "Liberdade, Igualdade, Fraternidade" e "Paz, Pão, Terra". Vivo feliz assim: comunista, graças a Deus.

O nacionalismo não interessa ao império

Luiz Carlos Azenha

CUBA, VIETNÃ E IRAQUE

Estamos nas cercanias de Hanói, no Vietnã. Uma procissão budista celebra o plantio do arroz. Nela, os agricultores trazem fotos dos antepassados que supostamente vão ajudar na safra. No último palanque, a contribuição do Partido Comunista: uma foto de Ho Chi Minh. Sincretismo político-religioso.

Quero uma explicação do guia: não, aqui ninguém é comunista, aqui somos todos nacionalistas. A guerra contra os Estados Unidos foi uma guerra eminentemente nacionalista. Ah, bom.

Bagdá. Véspera da invasão dos Estados Unidos. Pergunto ao guia: se o Saddam Hussein é um ditador sanguinário, como dizem os Estados Unidos, por que os iraquianos não ajudam os EUA a derrubá-lo? Porque eles são invasores e vamos defender não o Saddam, mas nossa Nação! Ah, bom.

Fidel Castro foi eminentemente um nacionalista que se tornou comunista pelas circunstâncias históricas em que se viu, cercado pelo Grande Irmão do Norte.

O nacionalismo não interessa ao império. Só o nacionalismo que levou à eleição de Donald Trump. O nacionalismo dos outros é necessariamente ruim, pois ele é um entrave à dominação.

Os coxinhas que condenam Fidel vão ter de lidar com esta contradição: defendem o ponto-de-vista dos cubanos que vivem em Miami, uma cidade na qual eles, coxinhas, serão vistos acima de tudo como cucarachas a partir de janeiro.

Vai pra Cuba!

Luiz Carlos Azenha 
CUBA

Azenha, vai pra Cuba! Já fui. Pra Cuba, Haiti, Honduras, El Salvador...

E aí? São todos países com pouquíssimos recursos.

El Salvador exportou parte da sua população para os Estados Unidos e vive uma terrível crise de criminalidade com os que foram deportados de volta.

Em Honduras atuam as maquiladoras que fugiram do México, onde as trabalhadoras têm cinco minutos duas vezes por dia para ir ao banheiro.

O Haiti não tem energia, as florestas foram queimadas para produzir carvão, o estado nasceu falido por conta das reparações pagas pela independência.

São países com terríveis indicadores sociais.

É só por comparação que você se dá conta do significado de Cuba.

E, é preciso dizer, a falta de liberdade dos cubanos -- sob um bloqueio econômico de 50 anos, ameaças de assassinato e constantes complôs armados no poderoso Grande Irmão do Norte -- não é a REAL preocupação da direita, nem nos Estados Unidos nem entre os subamericanos do Brasil.

Eles estão preocupados com a liberdade dos cubanos tanto quanto estavam preocupados com a liberdade dos paraguaios sob Stroessner.

Eles estão preocupados é com o EXEMPLO DE CUBA.

O exemplo de que a soberania de um povo para tomar suas próprias decisões pode fazer toda a diferença -- como, no caso de Cuba, fez.

Vai pra Cuba, mas vai também para o Haiti, Honduras, El Salvador ou olhe à sua volta no Brasil...

Inclua-se onde couber

Anistia do caixa 2

Como se sabe, na próxima terça-feira (29) a Câmara dos Deputados poderá aprovar a seguinte pérola, enxertada no projeto de lei 4.850/2016, contra a corrupção (eu disse CONTRA A CORRUPÇÃO): "Inclua-se onde couber: Art. X. Não será punível nas esferas penal, civil e eleitoral, doação contabilizada, não contabilizada ou não declarada, omitida ou ocultada de bens, valores ou serviços, para financiamento de atividade político-partidária ou eleitoral realizada até a data da publicação desta lei."

O supracitado "Artigo X" não só anistiará o caixa 2 como ajudará a encobrir uma série de maracutaias sob o tapete mágico do "financiamento de atividade político partidária ou eleitoral". Será, usando as já clássicas palavras de Romero Jucá, um grande passo para "estancar a sangria" da Lava Jato.

Vossas Excelências querem anistia, deputados? Pois eu também quero. Ampla, geral e irrestrita. Já que é pra esculhambar, vamos esculhambar direito, pra todo mundo, não só pra vocês, vossas famílias e os empresários que deram dinheiro pra vocês e vossas famílias. Proponho abaixo, portanto, algumas outras emendas ao projeto.

Inclua-se onde couber: Art. Y. Não serão puníveis nas esferas penal e civil atrasos com impostos, aluguéis, condomínio, escola, celular, crediário ou quaisquer outras contas em aberto até a data da publicação desta lei.

Inclua-se onde couber: Art. Z. Não serão puníveis, nas esferas penal e civil, multas por excesso de velocidade, estacionamento proibido, desrespeito ao rodízio, racha, cavalo de pau ou atropelamento em série seguido de fuga realizados até a data da publicação desta lei.

Inclua-se onde couber: Art. Þ Não serão cobrados, nas bandeiras Visa, American Express, Diners ou Mastercard, os gastos efetuados com comida, bebida, vestuário, ouro, diamantes, passagens aéreas, carros de luxo, iates e pole dancers realizados até a data da publicação desta lei.

Inclua-se onde couber: Art. µ. Não serão puníveis, nas esferas moral e estética, trocadilhos com pavê, peru, pernil, piadas com pum, fezes, urina, pegadinhas tipo chubaba, toca-aqui-deixa-que-eu-toco-sozinho e baleias brancas realizadas até a data da publicação desta lei.

Inclua-se onde couber: Art. ß. Não serão contabilizadas nas esferas cardíaca, pulmonar, arterial ou hepática os excessos envolvendo churrasco, batata frita, leite condensado, cerveja, cigarro, sonho frito de doce de leite, Beyoncé na playlist "Corrida" do Spotify ou quaisquer outros entorpecentes consumidos até a data da publicação desta lei.

Inclua-se onde couber: Art. Ø. Não será punível nas esferas terrena, divina ou infernal, haver: desejado a mulher do próximo, invejado o próximo, abaixado a vista e fingido não ter visto um próximo não tão próximo assim vindo em sua direção, fechado rápido o elevador pra não ter que conversar com o próximo, saído da festa sem se despedir do próximo, insultado o próximo, chutado o próximo ou passado o próximo no multiprocessador até a data da publicação desta lei.

Ficam aqui minhas sugestões a todos os deputados que pretendem, na terça-feira, em nome de Deus, da ética e da família brasileira, votar a favor da anistia para o caixa 2. Espero que as ideias aqui contidas os ajudem a compreender o quão grotesca é essa emenda e os façam mudar de opinião –ou, então, que amassem esta crônica e a incluam onde couber.

Web Analytics